A arquitetura é constantemente atualizada por estilos e tendências, considerando a utilidade e aproveitamento das construções alinhados a estética. Uma delas, muito falada atualmente e aplicada em diversos países, é o retrofit. Neste artigo, vamos falar um pouco sobre essa tendência que tem tudo para crescer nas grandes cidades.

Conseguir alinhar a funcionalidade com a aparência, externa e internamente, é um elemento cada vez mais necessário, partindo da ideia de reaproveitamento e renovação de espaços. Estender a vida útil de um edifício é apenas um dos objetivos do retrofit, que traz benefícios variados aos seus projetos.

Com os próximos tópicos, conheça o retrofit, seus princípios e também exemplos de edifícios que já passaram por essa tendência.

O que é retrofit?

O conceito surgiu na Europa, sendo rapidamente adotado também nos Estados Unidos e outros países. “Retrofit” pode ser traduzido como “colocar algo antigo em forma”, ou seja, uma boa e velha reforma. Porém, o retrofit não pode ser resumido apenas em uma reforma, afinal isso sempre foi feito. O retrofit é contemporâneo, preocupado com utilidades, funcionalidade, clareza, renovação e conservação de edifícios.

Por essas características, a tendência é muito utilizada para conservação de patrimônios históricos e arquitetônicos. Ela já chegou, inclusive, no Brasil, como apresentaremos no último tópico. Além dos arquitetos, os engenheiros, designers, urbanistas e projetistas estão conhecendo o retrofit e passando a aplicá-lo, por vezes em pequenos elementos.

O retrofit é uma tendência de arquitetura fazendo uma renovação da fachada sem alterar as características do projeto original. Também são adaptados fatores internos, sempre utilizando materiais modernos (vidro, estruturas metálicas) e técnicas que garantem a preservação.

Utilidades do retrofit

  • Preserva construções históricas.
  • Promove novas funcionalidades a prédios abandonados.
  • Economiza em demolição.
  • Faz adaptações de prédios comerciais em residenciais e vice versa.
  • Atende às normas e regulamentações vigentes.
  • Moderniza instalações elétricas e hidráulicas.
  • Aumenta a segurança dos edifícios.
  • Renova o visual externo.
  • Revitaliza vizinhanças.
  • Aumenta o valor imobiliário.
  • Gera economia com a utilização de tecnologias e materiais modernos.
  • Promove a sustentabilidade.

Exemplos de aplicação do retrofit

Dois exemplos que encontramos de retrofit no Brasil estão na cidade de São Paulo. O primeiro é o prédio do Sesc 24 de Maio, no centro, inaugurado em 2017. O projeto foi construído aproveitando a estrutura do antigo prédio da loja Mesbla, fechado e inutilizado desde 1999. O prédio original de 1941 passou por um projeto arquitetônico e de engenharia contando com o retrofit.

O piso térreo foi adaptado para ser um espaço aberto, integrado a rua e dando maior passagem aos pedestres nas estreitas ruas dos arredores. São 13 pisos, contando com a cobertura que traz uma piscina de 25 metros. Tudo é integrado com rampas e elevadores, além de um sistema de ventilação eficaz para o espaço.

O segundo, também no centro, é o prédio Altino Arantes (antigo Banespa, de 1947), reformulado e reaberto em 2018 como Farol Santander em um projeto que durou 2 anos. Os motivos art decó da construção original foram mantidos e reaproveitados, passando por uma restauração assim como o interior. Ambos projetos são visitados todos os dias pelo público para conferir essas mudanças, o que gera uma movimentação financeira e sociocultural nestes espaços.

O retrofit é especialmente importante quando consideramos quantos edifícios antigos já foram afetados por acidentes, desabamentos e falhas elétricas que provocaram incêndios. Este último ponto foi muito marcado pelos sistemas de ar-condicionado. Projetos com retrofit contam com os devidos elementos de segurança e eficiência energética para a refrigeração. Eficiência Energética e Ar condicionado: conheça a relação entre os dois.