Ar-condicionado residencial

Seja uma casa térrea ou um apartamento de condomínio, algumas regras têm de ser seguidas para que não tenhamos dor de cabeça com a instalação de condicionadores residenciais.

No caso de prédios residenciais, algumas dessas regras já fazem parte do estatuto do condomínio, por exemplo, quanto ao tipo de equipamento. De uns anos para cá muitos prédios não aceitam a instalação de aparelhos de janela e muitas vezes já têm o local disponível para um condensador, ou seja, já estão apontando para o tipo de condicionador que pode ser instalado, no caso, um Split ou Multi Split (Já falamos sobre isso em outro post).

Vamos então aos principais cuidados que o instalador deve ter:

1. Atenção ao tipo de equipamento

Em instalações residenciais, atualmente, estamos falando em 2 tipos de condicionadores: Tipo “Janela” ou “Window” e tipo “Split”. Como falamos antes, o tipo janela vem sendo abolido principalmente em prédios de condomínios. Sim, porque para instalarmos um condicionador de janela precisamos furar a parede, abrir um “buraco” enorme, muitas vezes na fachada do edifício, ou seja, fica difícil a aceitação disso pelos condôminos. O imóvel pode sofrer desvalorização.

Então, em apartamentos, o Split ou Multi Split, tem muito mais aceitação e as construtoras costumam deixar a infraestrutura pronta para este tipo de máquina. Com um Multi Split por exemplo, é possível condicionar até 5 ambientes do apartamento com uma única unidade condensadora.

Existem ainda soluções mais nobres onde o condensador poderá ficar distante das unidades evaporadoras. O condensador pode ficar na cobertura de um prédio ou mesmo a mais de 100m no jardim de uma casa térrea. Este produto existe, é o VRV da Daikin, dá uma olhada!

2. Regras condominiais

Seja em condomínios verticais ou horizontais, pode haver restrição total ou parcial quanto à instalação de equipamentos de ar condicionado.

Lembre-se que em prédios antigos onde simplesmente não existe menção no estatuto e ninguém ainda instalou ar condicionado, será preciso uma decisão em assembleia, será preciso laudo do engenheiro eletricista quanto a carga elétrica, se compatível ou não. Muitas vezes será necessário o laudo do engenheiro civil, quando a instalação precisa furar vigas ou estruturas do edifício.

Uma coisa é certa: Antes de comprar os condicionadores as regras condominiais precisam ser checadas.

3. Potência elétrica instalada

Em se tratando de uma casa térrea ou mesmo em condomínios onde a infraestrutura costuma estar pronta (se não estiver a preocupação é a mesma), será necessário checar a disponibilidade de carga elétrica, se a rede comporta o acréscimo de carga do ar condicionado.

Na dúvida um técnico ou engenheiro eletricista terá de ser consultado. A potência elétrica disponível terá de ser maior que a soma de todos os pontos de carga da casa, acrescido do ar-condicionado.

Quando são residências e prédios antigos, a situação pode ser pior ainda, por isso, chame o engenheiro eletricista para verificar tudo antes da instalação, é questão de segurança.

4. Manutenção e Limpeza

Depois de tudo verificado quanto às normas do condomínio, potência elétrica disponível, etc., será necessário manter a instalação.

Gostaria de chamar a atenção para condensadores instalados em sacadas ou suspensos sobre suportes. Tem ralo na sacada? Não há problema em cair água dos condensadores suspensos em suportes?

São 2 pontos:

1º) Em manutenções programadas, pelo menos uma vez a cada 6 meses, será necessário lavar o condensador, se a sacada não tem um ralo, temos um problema!
Lavar o condensador suspenso em suportes pode ser outro problema.

2º) Condensadores com ciclo reverso, quente e frio, liberam muita água de condensação no modo aquecimento, no inverno, ou seja, problema com origem diferente, mas do mesmo tipo do anterior.

É bom ficar atento!